Ler é ter o mundo nas mãos!
Cartas a Théo, Vincent Van Gogh

Vincent Van Gogh, Cartas a Théo   Adiei ao máximo o início da leitura do livro, adiei e adiei sempre lendo outros textos antes de começar mas na verdade eu estava com medo de começar o ano numa decaída! Estava com medo de entrar em uma leitura fúnebre e angustiante rótulo que eu estava dando às cartas de Van Gogh a seu irmão Theo e me surpreeendi com o início do livro, pois Van Gogh trata de amenidades. As primeiras cartas são conselhos sobre em quais artistas Theo deveria prestar atenção e quais livros deveria ler. São cartas de um irmão mais velho dando conselhos ao irmãozinho. Já fiz um vídeo aqui pro canal, vou deixar o link aqui em cima, em que eu falo um pouco sobre os aspectos principais da vida do Vam GoGh, enfatizei mais o período turbulento. Mas hoje gostaria de complementar essas informações com outras que pertencem a um período anterior e mais plácido da vida de Vincent. Vincent nasceu em 1853, em Groot Zundert, o filho mais velho de 6. Seu sobrenome fez um marco na história dos burgueses eminentes desde o século XVI. Muitos de seus parentes eram comerciantes de arte e apaixonados por…

Curso de literatura Europeia, Vladimir Nabokov

Oi, Gente Tem vídeo novo lá no canal sobre as primeiras ideias do “curso de literatura europeia”. São muitos romances interessantes, como “Madame Bovary” e “Metamorfose”, analisados pelo autor de “Lolita”, que além de ser escritor, foi professor de literatura, entomologista e um charmoso refugiado russo.

Nuvens, Claras em Neve, Merengue…
Céus Chilenos , Chile , Santiago , Viagem / 9 de Janeiro de 2018

Sou louca por nuvens e sobretudo por fotografias tiradas por mim em viagens de avião. Adoro passeio na minha cidade, Rio de Janeiro, e nas cidades que visito pelo mundo. No ano passado, 2017, fui duas vezes ao Chile, em outubro e dezembro, e tirei fotos incríveis do avião. Fiz um Vlog no meu canal no Youtube só com imagens das nuvens, feitas em Outubro  e as que estão aqui embaixo, são de dezembro.                                    

Luciana Saudade, de Carlos Heitor Cony

Postei nesta sexta-feira, dia 5 de janeiro, primeira sexta de 2018, um vídeo sobre um dos livros paradidáticos que li na minha infância. Nos anos 90, os livros obrigatórios na escola eram nesse estilo. Vocês acham que os de hoje são mais leves ou mais pesados, mais densos ou superficiais…? acho que depende muito das escolas, se são públicas ou privadas, dos estados e certamente, dos países e do que é considerado como uma literatura básica, indispensável para a formação de uma criança ou de um jovem. Na minha escola, líamos muito Machado de Assis, Graciliano Ramos, Cony e muitos paradidáticos escritos por autores como o Carlos Heitor Cony. Na época em que eu li o “Luciana”, eu me deliciei com a liberdade que ela tinha de passear sozinha pelos parques, ir e voltar sozinha da escola, experiência que meu irmão e eu não tivemos, senão depois dos 17 anos, e com o maior dos cuidados e inúmeras precauções. Crescer no Rio de Janeiro, nos anos 90, não foi fácil. Tínhamos acesso a cursos, livros, viagens de férias, brinquedos e muitas atividades extra-curriculares mas não tínhamos a leveza das crianças que podiam brincar na rua, sozinhas, sem supervisão. Havia muitos…

1 ano em 12 livros LIVROS PARA LER EM 2018
biblioteca , book haul , educação , livros , Romance , Século XX / 9 de Janeiro de 2018

Gosto de imaginar o meu ano a partir da perspectiva dos livros que pretendo ler. Fiz um vídeo com uma lista de livros que eu vou ler com vocês aqui no canal. Lerei muitos outros mas para esses 12 mencionados, 1 a cada mês, eu farei vídeos mais longos, mais numerosos e mais especiais. Quem aí se anima para me acompanhar nesta aventura de viver um ano através de 12 leituras imperdíveis? O primeiro título é “Cartas a Théo”, do grande Vincent Van Gogh, escritas entre 1873 e 1890. Espero vocês lá no youtube!    

Os Romanov : o fim da dinastia, Robert K. Massie

Os Romanov: o fim da dinastia Neste livro há um brilhante mas doloroso desdobramento dos últimos meses de vida da família Romanov. Esse período já foi trabalhado pelo Massie na obra monumental, a primeira que eu li, Nicolau & Aleksandra. Mas neste aqui é como se Massie ainda não tivesse esgotado tudo o que sabe sobre todo o sofrimento que a família Romanov viveu nos diferentes cativeiros até sua brutal execução em julho de 1918. Eles ficaram presos por 16 meses. Não sei se comentei com vocês que o Massie se interessou por essa história porque teve um filho hemofílico, assim como o Aleksei o filho de Nicolau. Quero com esse livro denunciar o horror dos sovietes. Quero junto com Massie, denunciar o horror do que houve. Vamos dar nome aos bois. Não vamos comemorar a revolução russa porque não há nada a ser comemorado. Com meus vídeos anteriores pretendi mostrar a simplicidade do casal Nicolau e Aleksandra e das 4 meninas e do Aleksei. Com as cartas deles, diários e outros documentos. Yurovsky Ermakov líder bolchevique local O triste é que foi por pouco. Apenas oito dias depois do massacre o exército branco tomou Ekaterinburg mas já era tarde demais…

Nosso Dossiê Romanov

Vamos então ao processo de descoberta dos corpos que só se tornou possível pelo encontro de dois homens incríveis. O geólogo Aleksander Avdonin e Geli Ryabov, que nasceu e viveu no Ural, que escutou muito do folclore em torno da família romanov. Ele que visitou a casa de Ipatiev antes da sua demolição por ordem do governo já que a área estava ameaçando se tornar um local de peregrinação, todos que gostavam dos Romanov queriam ir até lá. E o cineasta Geli Ryabov que estava produzindo um filme sobre a polícia civil soviética ou milícia ( que tratava de crimes não políticos diferentemente da KGB). Em 1976, 50 anos depois, Ryabov visitou a casa de Ipatiev, convenceu os guardas a deixá-lo descer ao porão e depois ele afirma que: Sabem que eu me sinto um pouco assim com relação aos Romanov? Inexplicavelmente eu sinto uma tremenda vontade de saber o que aconteceu, de refazer a história para libertar a memória e a história desse mistério tortuoso. Mas como esses 2 caras se encontraram? Visitando o local e perguntando aqui e ali, Ryabov que era um homem famoso em Moscou, chegou a Avdonin, por indicação do chefe da MVD, e unindo…